segunda-feira, 11 de julho de 2011

Inferno Íntimo

Faz uma semana que não te vejo,
Uma eternidade que não te beijo.
Sentir o calor dos teu braços
É como queimar os demônios
Que atormentam o meu espírito
E se banham com minhas lágrimas
O tempo parece não passar
A vida parece estagnar
Onde está, nada está no lugar


Às vezes chego a duvidar da realidade
Será que você existe em algum lugar além do meu pensamento?
Meu amor, te ver
É não ver o mundo,
Ver o mundo
É não ver você!

Eu procuro um jeito de te encontrar,
Você acha um meio pra fugir,
Sem você não consigo respirar
Não tenho aonde ir

Faz frio, começa a chover
A casa está silenciosa, onde está você?
O tempo para, e ri, como se gostasse de ver chorar
Alguém que se importa, que faz sofrer
A solidão não me seduz
Mas sou obrigado a deitar-me com ela todas as noites
Os gemidos que se ouvem em meu leito
São apenas de dor
O sol não é piedoso
Não me aquece com o calor que vem de seu corpo
Mas minha carne é febria
Longe de você
Meu corpo queima de frio

Já é tarde, quase noite
Mas o sol nunca mais raiou desde que partiu
Faz frio, noites solitárias
Amor, quando vai voltar para o sol aparecer

---------------------------------------------------------------------------------------

Texto que fiz em parceria com meu amigo James, do querido blog Cérebro Cozido

Nenhum comentário:

Postar um comentário